Coisas para falar com uma menina

[Sátira] Masked Frog em o Mistério do Mago Desaparecido

2020.11.29 02:33 silveringking [Sátira] Masked Frog em o Mistério do Mago Desaparecido

All the world’s a stage,
And all the men and women merely players;
They have their exits and their entrances;
And one man in his time plays many parts[...]
Retirado de "As you like it" de William Shakespeare

Masked Frog em o Mistério do Mago Desaparecido
Cenário: Sala de estar ensanguentada, um mago omnipotente parece ter desaparecido do nosso Universo. Entra Masked Frog um super-herói, uma espécie de híbrido entre um sapo e um humano, que se dedica a resolver crimes no Planeta Terra e no Universo em geral.
Agente Freitas: Ah Masked Frog! Ainda bem que veio nós estávamos todos à sua espera, o Mago Pirilimpimpim desapareceu sem deixar rasto, só o Masked Frog pode resolver o mistério.
Masked Frog: Não se preocupe Agente Freitas, eu estou no caso e não se preocupe também com o seu cancro, acabei de o curar há 30 segundos atrás.
Agente Freitas: Espantoso MF, mas como sabia que eu tinha cancro?
Masked Frog: Fácil eu para além de omnipotente também sou omnisciente. Agora vamos Freitas temos que ir ao Universo 15 procurar o Mago Pirilimpimpim!
Maria: Bernardo, para com esta merda, quem é que pensas que és?
Masked Frog: Desculpe menina, não a vi, quem é a menina?
Maria: Bernardo, já é a terceira vez que isto acontece este mês, nem sei porque te dei uma chave do meu apartamento, tu entras-me pelo apartamento adentro às quatro e um quarto da madrugada num bodysuit verde e uma máscara de Sapo Cocas, gritas “MASKED FROG EM O MISTÉRIO DO MAGO DESAPARECIDO”, declaras que és um hibrido de sapo e homem chamado Masked Frog, declaras que estás num “cenário” ensanguentado e que estás a resolver o desaparecimento de um mago chamado Pirilim-coisa, dás duas estaladas ao Freitas, dizes-lhe que tem cancro e dizes que o curaste há 30 segundos atrás e mandas o ir contigo a um Universo com um número aleatório. É pá ó Bernardo, até podes ser meu cunhado e irmão siamês do meu marido, mas tu precisas de ajuda, tu não bates bem da bola.
Masked Frog / Bernardo: Desculpe menina, posso lhe fazer uma pergunta? Consegue de alguma forma confirmar que o seu marido não tinha cancro há 30 segundos atrás?
Maria: Que caralho de pergunta é essa meu est…
Masked Frog / Bernardo: Desculpe só lhe fiz uma pergunta, CONSEGUE confirmar o que eu disse?
Maria: Não, mas porque caralhos iria isso acontecer?
Masked Frog / Bernardo: Então confirma que não sabe se o seu marido tinha cancro há 30 segundos atrás, certo?
Maria: Sim, mas é óbvio que ele não tinha…
Masked Frog / Bernardo: Óbvio não menina, uma célula no seu marido poderia ter se mutado, ele poderia ter cancro, ainda que por 30 segundos, e eu poderia utilizar a radiação dos meus olhos para curar o cancro do seu marido.
Maria: Tu és doente Bernardo.
Masked Frog / Bernardo: Outra pergunta, a menina sabe o que é um camaleão?
Maria: Toda a gente sabe o que é um camaleão meu burro.
Masked Frog / Bernardo: Então a menina, saberá que um camaleão consegue ver um espectro de cores maior do que o que qualquer humano poderá alcançar. Com a sua visão limitada, através dos seus olhos de humana quem lhe garante que a sua visão do mundo é correta? Quem lhe garante que o mundo à frente dos seus olhos corresponde ao mundo real, quem lhe garante que não vive numa “matrix” e que não se consegue livrar dela?
Maria: Andas a ver demasiados filmes, nem me vou dignar a responder a tamanha bab…
De repente o Mago Pirilimpimpim materializa-se.
Maria: Que raios estás a dizer?
Mago Pirilimpimpim: Depressa Masked Frog, vem comigo, um Dementor está-te a pôr sobre o seu jugo hipnótico. Temos que sair deste Universo imediatamente, caíste numa armadilha Masked Frog!
Maria: Estou, 112? O meu cunhado está a ter um surto, entrou pelo meu apartamento adentro num bodysuit verde e está a falar com uma parede e a chamá-la de Pirilimpimpim.
Masked Frog: Ok entendido Pirilimpimpim, utilizemos o teleporte instantâneo imediatamente.
submitted by silveringking to portugal [link] [comments]


2020.11.27 11:42 maurocaa é estranho alguém que você estava praticamente ficando sério terminar com você e continuar falando contigo?

Para contexto, eu sou homem, tenho 19 anos e ela tem também 19 anos (3 meses mais velha do que eu), ambos fazemos faculdade e trabalhamos.
Então, a um mês atrás eu comecei a ficar com essa menina que conheci no Tinder, as coisas estavam ficando muito boas, a gente conversava. o dia todo, saíamos todo final de semana (só dava pra sair final de semana) e o sexo era bom, enfim, eu tava começando a gostar dela e tinha expectativas de um relacionamento e aparentemente ela também, pois ela ficava conversando sobre a possibilidade da gente namorar e tal, ela conheceu a minha família e eu a dela.
Entretanto, a umas 2 semanas atrás ela ficou estressada comigo porque ela teve que mentir para os meus pais por minha culpa (não foi grande coisa, foi apenas que ela disse que iria de uber para a casa dela quando na realidade ela iria de ônibus, tive que dizer isso porque eles iriam ficar insistindo em dar carona quando ela já tinha me dito que não queria), eu me arrependo muito por ter feito ela mentir, ainda mais por algo besta, mas minha relação com meus pais nunca foi muito boa, estou tentando melhorar mas isso leva tempo, então ela decidiu terminar comigo, com a justificativa de que somos muito diferentes e que ela achava melhor nao deixar crescer algo que ela sentia que não iria pra frente.
Na hora fiquei bem triste e nem falei muito, apenas expliquei que eu fui idiota em fazer ela mentir e que nunca tive uma relação muito boa com meus pais, uns dias depois eu fui conversar com ela porque ela tinha esquecido umas coisas aqui em casa e aproveitei pra tentar entender melhor o porque do término, conversamos e ela me disse que ela já tava meio insegura da gente ter algo porque segundo ela a gente era muito diferente e tal, disse que me acha legal etc mas que eu não sou o tipo de pessoa que ela está procurando para ter um relacionamento, que ficou estressada com toda a situação da mentira e que no final eu sou muito novo para o tipo de pessoa que ela curte se relacionar.
Eu fiquei até que feliz por ter conseguido esclarecer um pouco as coisas, mesmo que talvez seja meio genérico o que ela disse.
A questão é, ela continua falando comigo, nao na mesma intensidade e nem como namorados, mas ela responde o que posto no instagram, me chama pra jogar todo santo dia e fala comigo coisas aleatórias de vez em quando, eu não procuro muito ela, tenho medo de me apaixonar por alguém que já deixou claro que não quer nada comigo, mas talvez lá no fundo eu ainda tenha vontade de voltar, eu gosto muito de sair com ela, estou tentando falar com outras pessoas no tinder etc mas é diferente, com ela era mais fácil sabe.
Talvez ela me chame por não ter outros amigos ou porque ela me acha gente boa e gosta de conversar, mas deveria eu dar um basta nisso? no fundo talvez eu ainda tenha esperança da gente voltar, ainda mais que agora como amigos estamos nos dando bem, porque não tem aquele peso de ficar saindo etc, acho que eu ainda gosto dela.
submitted by maurocaa to desabafos [link] [comments]


2020.11.27 03:02 terrordelas14 Minha vida.....

(nesse post vou comentar tudo que venho guardando de ruim em mim desde meus 5-6 anos...) Tudo começou no 1° ano do ensino fundamental, eu não sei porque mas alguns colegas não gostavam de mim, eu nunca os tinha visto na vida, mas isso piorou no 2° ano, quando começei a sofrer bullying. Não sei porque mas esse ódio gratuito triplicou e comecei a sofrer hate, eu não era de brincar com brincadeiras apelativas (empurrar, tapa etc) mas eu fazia quando faziam comigo, e assim foi, me zoavam, me batiam e a coordenadora via e não fazia nada, eu chegava a chorar de ódio e como bom e besta coração eu perdoava a pessoa e recomeçava, mas quando era eu "vingando" bastava chamar meus pais. E assim foi até o 5° ano fundamental onde agravou bastante a situação onde eu acho que foi minha primeira depressão (mais tarde explico), eu levava chute, bicuda na barriga soco, e etc além de ser mira da língua mas meninas da sala, eu era o menor e mais novo da sala, eles me desprezavam, batiam fisicamente e verbalmente e quando a professora via eu tomando atitude pra fazer algo ela dizia "partiu pra agressão perdeu a razão" como se só eu batia em alguém naquela sala aff... e quando começou os ataques eu começei a ser um aluno problemático pra tentar aliviar o sofrimento, com isso meus pais começaram a vigiar mais minha vida escolar e eu sempre tive muito problema em matemática, e meu pai me ensinava, pra ele tudo era soma multiplicação adição subtração e divisão ele me dava "aula" a berros e gritos eu chorava era um pesadelo!!! Mas mesmo assim eu perdoava ele porque eu achava que tudo aquilo era para o meu bem e foi aqui que começei a falar sozinho, pra desviar daquilo, depois de um tempo no mesmo ano eu começei a pensar, "a ném, mais um dia as mesmas coisas" e foi quando eu acho que começou minha depressão sem saber, mesmo não sabendo o'que era eu queria me matar mas não tinha coragem (isso com 9-10 anos de idade) enfim, em 2014 quando fiz 10 anos no mesmo ano um tempo antes (julho) minha avó faleceu, minha avozinha que tanto amava que era tudo pra mim, e eu me senti culpado pela Morte dela pois ela fazia tratamento contra a leusemia e mesmo assim ela me comprava um bocado de coisa, e nesse mesmo ano eu ganhei meu primeiro celular digital que fez com que eu conhecesse jogos incríveis como Minecraft ;) e lá fui eu conhecer esses jogos e logo pensei "se todos me odeiam vou ficar na minha fazendo o'que eu gosto, e assim foi 2014-2017 esses foram os anos mais incríveis da minha vida onde tive um bocado de experiência boa na vida, mas meu pai não gostava que eu jogava pois achava que eu ia ficar louco, meu pai, eu não culpo ele mas ele fez muito mal pra mim, não físico mas sim sentimental enfim em 2017 (final) fui diagnósticado com panhipopituitarismo ( se se interessar pesquisem) e isso ferrou meu consciente de novo pois meu pai tem que viajar direto pra capital do meu estado buscar remédio além de gastar em vários outros, e isso fez meu psicológico fuder de um jeito.... Enfim, em 2018 eu tive uma das piores experiências da minha vida, sim, tive um amor abusivo/iludido não quero adentrar mas isso me fez entrar em depressão que consegui novamente curar sozinho, pois meu pai acha que isso é coisa de fraco e que tem que matar quem ta te fazendo mal, E minha mãe ia preocupar demais eu dei a volta por cima e vamos para 2019, ia ser um ano zica se não fosse o fim, eu estava gostando de uma garota mas no final ela tava me testando e taquei o foda-se mas meu primo que eu confiei muito explanou um segredo que contei pra ele, descobri esse ano por um amigo, esse meu primo se paga demais de fodão só porque não é mais virgem e fuma narguilé (adolescente moderno mas tenho 16 e ele 17 e não sou e nem quero pegar essa característica dele) mas ele sujou meu nome pra cidade toda e eu falando com pessoas principalmente meninas que sabem desse segredo meu (tem haver com panhipopituitarismo que disse mais cedo no texto) meu pai reclama que só fico jogando depois de tudo isso enfim essa é minha vida....
submitted by terrordelas14 to desabafos [link] [comments]


2020.11.27 01:31 frustratedwriter15 Esse é o começo de um livro que estou escrevendo. Ele se chama "A menina que queria comer o mundo"

Parte 1: Sobre novos começos. A menina que queria comer o mundo Eu tenho um sonho recorrente, onde eu estou de frente ao oceano, as ondas batendo no meu tornozelo como uma gelada lembrança de que eu estou caindo aos pedaços e assim como o vento, eu desapareço. Me faço ar e água, eu viajo a mundos desconhecidos que são feitos de sussurros e histórias não terminadas que foram engolidas pela minha forma. Nesse sonho eu não sou feita de pedaços quebrados, eu não sou feita de beleza invisível, eu não sou feita de lágrimas derramadas em vão ou gritos ao silêncio. Eu sou de água e ar, eu mudo conforme necessário, eu sou amada incondicionalmente. Nesse sonho eu não existo. Mas então eu acordo, e estou de volta na minha cama e sentindo o sol esquentar o meu rosto, lembro o que realmente é real. Esses são os meus dias mais difíceis, na escola nada parece certo, eu fico com aquele sentimento no coração que é pesado demais pra carregar e difícil demais para explicar, são nesses dias que meus ombros abaixam e minha cabeça fica presa entre o real e o imaginário. Às vezes eu me pergunto se eu vou conseguir chegar até o dia seguinte, afinal como eu vou continuar sabendo que sou de carne e osso e existem limites para o meu ser? Eu não posso fugir, então fico presa nesse pequeno corpo que pouco significa comparado a grandeza de tudo e eu, continuo. A escola pode ser considerada um local de sentimentos mistos, lá eu consigo me superar e sinto que prenchoo um pequeno vazio de tudo o que falta em mim, mas também é lá onde ponho todo meu esforço para ser engraçada, ser compreendida e amada, é como uma constante prova onde eu tenho que passar e ganhar o respeito de todos, apesar disso eu ainda me sinto invisível. Sou um daqueles fantasmas de filme, posso ser sentida um toque ali, uma risada aqui, no entanto ninguém me enxerga, consigo ver atrás das risadas e das conversas animadas. Consigo sentir as pessoas se perguntando de onde ela surgiu? Eu continuo apesar de tudo. Eu então me refugio no meu quarto, entro no começo da noite e só saio quando o mundo fica quieto. Esse horário é perigoso, a quietude e a solidão te dão uma segurança falsa, elas contam mentiras de liberdade e falta de consequências. Esse é o momento em que eu ataco, de repente me vejo sem controle do que eu penso, sinto ou faço. Eu começo a comer, não importa o que, são poucos minutos em que o mundo me traz prazer e felicidade. Sou inundada por gostos e cheiros que me preenchem, cada lugar onde um dia foi vazio é preenchido por um sabor diferente.Salgado, azedo, doce, amargo não me faz diferença, contanto que sirva o seu propósito. Aos poucos volto a me sentir cheia até a respiração ficar difícil, e o meu corpo se sentir grande demais, assim faço o meu caminho de volta ao quarto e lá me faço a vítima de tudo o que eu acabei de fazer, e de tudo o que já fizeram comigo. Enquanto a culpa desce sobre mim eu vou adormecendo, deixando a dor se ajustar ao meu corpo, dominando tudo. Eu chamo isso de ciclo, estou presa nele, sobrevivo por causa dele, estou viva por ele e eu não sei como quebrá-lo, consigo o enganar fugir por algumas semanas, meses às vezes, mas ele sempre me acha e me traz de volta. Poucas pessoas sabem sobre ele, minha mãe foi a primeira a notar, no começo eu não quis acreditar. Afinal, como eu poderia estar me sabotando? No entanto, quanto mais as palavras ecoavam na minha cabeça, mais sentido fazia não apenas o que ela me disse, mas a minha vida inteira. Quando entendi o que ela me disse, entendi os vazios. Parecia que minha vida toda tinha sido finalmente posta em uma luz fria. No dia seguinte, a tarde fui a aula de pintura e contei pra uma pessoa, minha amiga Maria. A partir daquele momento ela passou a guardar meu segredo mais precioso, a razão da minha derrota. Não contei pra Maria sem motivo, para entender o meu porquê, você precisa entender ela. Maria é uma daquelas pessoas que emana luz e cheira a campos de flores em dias ensolarados, ela vê algo mais profundo e de alguma forma entende. Você não quer ser apenas conhecida por ela, quer ser enxergada por ela e, eu, fui. Ela viu por trás do esforço e das falsas personalidades, ela enxergou minha essência, o que quer que ela seja. Eu decidi a fazer minha confidente, guardei todos os seus segredos e ela os meus. Dessa forma, quando eu a contei sobre o ciclo e os vazios, ela não sentiu pena, não me perguntou se eu precisava ser ajudada. Não, ela compreendeu o que representava e o que significava. Acho que esse foi o primeiro dia em que eu estava completamente presente, eu não era um espírito observando todos e tentando agir de maneira certa, não, naquele dia eu existi. Pela manhã o dia não se misturava em fragmentos e borrões, eu conseguia ver os acontecimentos claramente. Ainda sim, no café o nevoeiro havia voltado, mas naquela manhã eu não me importei, porque agora eu tinha uma memória para guardar e não importava o quão escuro ficasse nada poderia tirá-la de mim. O dia seguiu normal, os momentos e as pessoas voando por mim, todas com um propósito, com um lugar para ir. Quando eu cheguei em casa, o vazio me invadiu, a noite e a sua solidão tomaram conta de novo, era como um tsunami que recuava ocasionalmente, mas sempre voltava com o dobro de força. Me arrastei até o quarto, deitei e fechei meus olhos e por uma hora imaginei praias brancas com as ondas indo e voltando, imaginei o ar da montanha batendo na minha cara e grandes florestas me rodeando, imaginei um campo florido com uma brisa leve me abraçando, imaginei um lago fundo e gelado, imaginei ser feliz e quando eu não consegui mais imaginar eu fui pra cozinha. Apesar de ter sido a primeira a notar, minha mãe nem imagina que eu ainda estou presa no ciclo, com muito esforço eu convenci ela de que eu melhorei. Meu último desejo era preocupar ela. Nós vivíamos sozinhas, meu pai desapareceu quando eu ainda era pequena e desde então a casa ficou vazia e o escritório foi ocupado por várias noites em claro. Meu pior dia foi uma noite fria de julho, a casa vazia fazia o meu coração arder e como uma tempestade de verão eu fui arrastada até a cozinha. Quando cheguei lá não consegui parar, eu estava no olho do furacão e assim eu comi, e comi e até os meus olhos arderem como o meu coração, e minha respiração ficar fraca eu não parei de comer. Eu acordei na minha cama no dia seguinte. Minha mãe já trabalhava na cadeira do meu quarto, e assim que percebeu que eu estava acordada ela apertou minha mão e me deu um olhar de pena. Eu nunca me senti tão inferior e envergonhada como naquele dia. As aulas de arte eram a minha salvação, meu porto seguro. Por arte você não precisa descrever sua dor, não precisa explicar, a dor só precisa ser sentida. O pincel passou a contar meus segredos, ele coloriu minhas cicatrizes e enfeitou a névoa. A arte era única parte minha, que não havia sido tocada pelo ciclo ou pela dor, ela era meu pequeno presente e eu a guardava com todo o meu ser. Como você já deve ter reparado, Maria é minha única amiga. E eu não digo isso para ser engraçada, apenas conto a verdade. Eu já estava acostumada e por mim nada precisava mudar. Quando uma das meninas se aproximou de mim na escola, eu não dei muita importância, eu não sou uma pessoa falante e em pouco tempo ela desistiria de mim. Mas recreios viraram almoços, e almoços viraram tardes na companhia dela. Por algum motivo ela não necessitava que eu conversasse, ela fazia isso por mim. O nome dela era Esther, de acordo com o que eu conseguia ouvir ela viraria uma arquiteta e pretendia fazer a casa de várias celebridades. Esther virou uma constante na minha vida. Quando eu fui parar no hospital, minha mãe e Maria já não estavam mais na companhia uma da outra, Esther estava lá e iluminava o quarto com suas conversas animadas e gargalhadas feitas de música. Esther tinha uma vida, um namorado e dois pais, ela morava perto da escola e pretendia se mudar quando se formasse. De acordo com ela eu tinha muita sorte de ser acolhida por ela. Eu não discordava, eu realmente tinha sorte. Esther era como um anjo caído do céu, a sua pele é da cor da noite e brilha quando o sol bate nela, os seus cabelos são grandes e cacheados e ela ama por ele em penteados. Ela ama abraços e consegue me deixar sem graça toda vez que me beija na bochecha para me dar tchau, eu não sou boa em demonstrar amor. Você deve estar se perguntando qual é o meu nome, ele é estranho, mas minha mãe o ama porque ele significa divina e pra ela eu sou completamente divina. Meu nome é Diana, ele não combina comigo, mas eu gosto de imaginar que em outra vida eu realmente fui divina. É tão estranho como pequenas coisas fazem diferença na nossa vida. Um sanduíche a mais, domingos sonolentos e ensolarados, uma amiga a mais, um beijo. No dia 15 de abril meu mundo brilhou, uma coisa dentro do meu coração foi acordada, algo que eu não sentia há muito tempo. Nesse dia, eu e Maria fomos visitar Esther, era aniversário dela e a ideia de festa dela era nós duas e seu namorado. Maria gosta de ser pontual, então chegamos 10 minutos mais cedo, ela segurava uma bandeja cheia de biscoitos e eu segurava a pintura que eu havia feito pra ela de presente, ela merecia, 17 não é uma idade fácil de chegar. A casa de Esther não era muito grande, mas também não era pequena, ela tinha um quintal e até o ar parecia diferente aqui, como em um filme. Andar pela casa dela era como ver o que sua vida deveria ser, a casa dela parecia ser tirado de um poster do prédio do serviço social. Quando entramos no quarto dela a felicidade se foi, eu nunca me senti tão desconfortável como quando vi Esther chorando. Enquanto eu entendia o que estava acontecendo, uma raiva também descia sobre mim, porque ninguém jamais deveria machucar Esther. Após alguns copos de água, finalmente conseguimos descobrir que seu término era o motivo do choro. Ele tinha arranjado uma menina melhor, de acordo com ela e ele tinha decidido que hoje era o dia ideal para contar-lá. Eu não me lembro de muito depois disso, os sons e as vozes viraram um só. Tudo o que eu conseguia ouvir era minha raiva, eu me sentia um vulcão prestes a explodir, como alguém ousava machuca-lá? Por que as pessoas eram tão cruéis? O que eu, ou Maria ou Esther havíamos feito para merecer tanta merda? A raiva borbulhava por baixo da minha pele e eu precisava socar alguém. Aos poucos decidi que eu não tinha força suficiente para socar alguém, invés disso pela primeira vez em meses eu decidi falar. - M...Man..Manda ele sse fuder. Foi a primeira vez que falei na frente de Esther, ela me olhava com os olhos arregalados, enquanto Maria colocava o copo de água no criado-mudo. -Você fala! Eu estava prestes a começar aula de sinais - ela falou com um sorriso no rosto, enquanto me encarava, eu apenas acenei com cabeça e soltei uma risada baixa. Eu nunca tinha passado um dia como aquele, só nós três comendo besteira sem culpa, elas conversando enquanto eu observava e ria eventualmente. Nesse dia eu descobri o que era felicidade. A noite veio rapidamente, e levou Maria com ela para sua casa, no entanto eu decidi segurar aquele sentimento e dormir na casa de Esther. Eu estava com medo, as noites não eram meus momentos mais fáceis, ainda sim eu queria pelo menos uma vez na minha vida falar que eu fui verdadeiramente feliz. Nós comemos e assistimos um filme, e por fim Esther quis ir até o seu quintal. Enquanto observamos o céu, uma tristeza desceu sobre mim, não era a tristeza que eu estava acostumada, mas sim uma saudade antecipada do sentimento que preenchia meu coração, eu queria poder congelar esse momento, mas ele escorregava aos poucos pelos os meus dedos. - Eu sei que minha vida parece perfeita, mas às vezes eu me pergunto se eu mereço isso, sabe? Eu nem sei se eu sou uma boa pessoa, alguém me ama? - Isso me pegou de surpresa, porque pra mim não existia uma versão dela que não fosse amável, para mim ela era tudo que existia de amável no mundo. - Eu te amo - eu sussurrei e peguei sua mão na minha, enquanto as palavras caíam sobre ela, eu decidi que era amar ela o que me fazia uma pouco mais próxima da luz. Se ela era tudo de amável no mundo e se eu era a única que a amava, então eu também era mesmo que só um pouco. Certos momentos ficam marcados na sua memória, eles não sempre fazem sentido, mas são esses pequenos momentos que te trazem de volta, quando o oceano tenta te puxar e te afundar, essa noite foi um desses momentos. Nada grande aconteceu, nada especial, eu não virei uma pessoa diferente, ainda sim eu nunca esqueceria o cheiro de grama molhado e calor dos dedos dela entre os meus, se isso era felicidade eu nunca mais queria largar-lá.
aqui vc encontra tudo que eu já escrevi, até agora
submitted by frustratedwriter15 to EscritoresBrasil [link] [comments]


2020.11.26 13:14 yuri-664-0985 Nao suporto mais

Bem meu nome é m (só pra ficar mais fácil) e sou bisexual e me orgulho de ser mais não consigo falar isso para minha família pq não sei como eles reagerião por isso tento dar mini dicas como pintar coisas com as cores da Bandeira falar bem pouco sobre meninas e que quero adotar um filho só que eu não tô mais aguentando ficar com esse peso no peito eu só queria disser para eles quem sou de verdade mais não consigo coragem e quando uma parte de mim tenta falar não consegue. bem essa foi meu desabafo me sinto muito melhor obg
submitted by yuri-664-0985 to desabafos [link] [comments]


2020.11.24 19:34 G_a_b_z Preciso de conselhos de pessoas mais velhas.

Soube que pode ter menores de idade aqui, então vamos direto ao ponto. Vou fazer textão e sentar o dedo no teclado.
Recentemente venho me deparado com a adolescência (e eu não sei se isso é a famosa “fase” ou um problema mais sério) e isso vem mexendo comigo de uma maneira absurda ao ponto de ter crises.
Acredito que isso seja a sensação que todos nós sentimos ao sair da infância, saudade. Mas eu sinto que não aproveitei minha infância. Eu não tinha irmãos da mesma idade que eu, não tive amigos próximos, mal saia eu para brincar na rua (sai algumas vezes mas não muito). Eu era uma criança extrovertida e feliz.
Ao entrar na adolescência eu percebi que não fiz amizades nenhuma, ou seja eu passo dias e dias sozinhas sem conversar ou ter contato com alguém da minha idade, eu também não tenho habilidade nenhuma para conversas com ninguém da minha idade e isso fez com que eu não tivesse amigos nenhum na escola ou em qualquer ambiente social. E eu sinto que eu passo tanto tempo em casa (porque meus pais não me deixam sair) que eu não pude cultivar nenhuma amizade, eu não brinquei como eu queria, eu não curti a minha infância como eu queria, e sinto que por estar me sentindo triste pela minha infância, eu também estou perdendo minha adolescência.
Eu tenho casa com piscina, celular da moda, meus pais têm dinheiro,e eu até sou considerada uma “menina bonita” mas eu não tenho amigos, eu não tenho ninguém pra conversar. E eu também não consigo mais conversar, eu não me encaixo em nenhum grupo social, e parece que NINGUÉM da minha idade me entende. Algumas pessoas da minha idade já estão começando uma vida sexual e a frequentar festas adultas ( PRECOCE ), outros agem como crianças pequenas, e eu simplesmente não consigo levar uma conversa com ninguém, eu até consigo falar um pouquinho, mas logo acaba p interesse e eu continuo sem nenhum colega para jogar conversa fora.
Eu também não posso sair de casa, o que me faz passar muito tempo lendo ou mexendo no celular, e eu comecei a colecionar hábitos considerados “estranhos” ou “incomuns” para algumas pessoas da minha faixa etária.
É tão complicado essa coisa de fazer amigos, é tão estranho como as relações sociais são complexas (Se elas fossem fáceis, não existiria curso de sociologia). Parece que todo mundo recebeu um manual de como ser adolescente ou como fazer amigos e eu fui a única esquecida. Ah, eu tentei frequentar algumas festas (não festas adultas; aniversários de colegas de classe) e sai chorando, porque percebi que não dá.
Por isso eu sinto falta da minha infância e da criança extrovertidas e tagarela que eu era (tão tagarela que inventou 12 amigos imaginários para conversar). Sinto falta de chegar na escola e o maior luxo e ostentação era ter 2 reais para comprar balas, e a minha única preocupação era se eu ia chegar em casa a tempo de assistir meu desenho favorito. Eu sinto falta das coisas serem mais simples.
Pessoas mais velhas que eu, me digam que eu não vou ser a única e nem fui a única a passar por isso.
submitted by G_a_b_z to desabafos [link] [comments]


2020.11.22 07:09 Novel_Resident_ "Melhor amiga"

( Alarme! Texto grande!! ) A muito tempo atrás na minha antiga escola eu tive minha primeira melhor amiga, porque eu nunca tive um amigo de verdade isso era muito especial pra mim, nós conversamos sempre, de intervalo até a saída todos os dias, ela era um ótima amiga até as coisas... Mudarem, ou melhor ela mudar.
1° bandeira vermelha: namorados.
Ela nunca foi uma pessoa de namorar até ela começar a gostar de um cara na minha sala, ela nunca parava de falar o quanto ela gostava dele e como ele era lindo e tals, ela falava tanto que esse acabou sendo o assunto favorito dela por meses, eu não suportava só falar sobre garotos ou em namoros ( e até hoje não é um dos meus tópicos favoritos. ) mas como eu sabia que ela nunca tinha se apaixonado antes era normal ela ficar toda hora falando dele, então eu só fui paciente, mas toda a vez que eu tentava puxar sobre um assunto diferente ela sempre dava respostas rápidas pra o assunto acabar logo, o que não era bem, muito legal. Eles acabaram namorando, yaaay. Eu finalmente achei que esse papo de garotos ia acabar mais só ficou pior, não durou muito tempo o namoro e eles terminaram bem rápido, ela passou mais um monte de meses só falando o quanto ele era babacas e tals e sla o que e novamente quando eu tentava só mudar de assunto ela continuava falando mau dele e dai pra frente todos os assuntos que ela tinha pra conversar girava em volta de garotos e namoros.
2° bandeira vermelha: Novas amizades.
Eu nunca tive problema em ter um amigo ou dois a mais, mais como ela era minha primeira melhor amiga era normal eu ter um pouco de ciúmes, a gente começou a sair um uma menina super bacana e eu não tinha nenhum problema com a presença dela, mas essa garota que começou a falar com ela não era gente boa, era repetente e também se metia em bastante briga e uns rolos aí, eu nunca fui de conversar com ela mais já a minha melhor amiga já adorou ela mas meio que essa garota ( vou chamá-la de Mara) a Mara não gostava nem um pouco de mim, era grossa, não tinha respeito pelas coisas que eu gostava e era bem violenta. Eu falei várias vezes para minha amiga ficar longe dela porque ela não era boa pessoa mas ela nunca me escutou ( ela nunca me escutava também quando eu alarma-va sobre garotos babacas que ela insistia em namorar) e então eu pensei, se ela não vai me escutar talvez eu tenha que fazer a Mara ir embora conversando com ela, então foi o que eu fiz, mas a situação ( obviamente) saiu do controle e ela fez minha amiga pensar que eu era muito ciumenta e a trouxe para o ciclo de amizade tóxico dela. Nós brigamos e depois disso paramos de nos falar por um bom tempo.
3° bandeira vermelha: Reconciliação.
Após muito tempo sem se ver, eu tinha me arrependido pelas coisas que falei e realmente acreditei que eu era apenas ciumenta e deveria pedir desculpas, e foi isso que eu fiz, eu pedi desculpas e ela também e nos abraça-mos, eu estava tão feliz, eu pensei que a gente era melhores amigas de novo e que tudo iria voltar a ser como era antes, bem não foi bem assim. Não nos falamos mais, ela criou um novo ciclo de amizade e eu também, os assuntos não eram os mesmo e acabou que o pedido de desculpas foi só pra não ter peço nas costas. Mas mesmo assim eu pensei "sem ódio, o que importa é que não estamos mais brigadas e é isso que importa" e assim foi, a vida continuou. Mas a história acaba aqui? Bem eu queria, mas não.
4° e última bandeira vermelha: Fofocas.
Lá estava eu com meu amigo ( vamos chamá-lo de Caio ) eu e ele estávamos apenas conversando no final da aula como fazíamos, mas ele estava agindo diferente. Ele não estava conversando muito e ria baixinho de vez em quando, eu não perguntei o porque pois eu queria respeitar o espaço pessoal dele e porque provavelmente não era da minha conta. Mas de repente ele para a conversa e fala: " Ei, é verdade que você gosta de mim?" Eu fiquei congelada no lugar, eu nem sabia o que disser, como ele sabia da minha quédinha por ele que eu tive no 4° ano? Eu não tinha contado pra ninguém, só pra... " Ei Caio, uh quem te disse isso?" Ele respondeu ainda com um grande sorriso em sua cara: " a foi a fulana ( minha melhor amiga ) ela disse que se gostava de mim e tals." Eu nem sabia o que responder, porque ela diria isso pra ele?? Eu fiquei furiosa, nós não éramos mais amigas mais ela sabia que o Caio era meu amigo! E melhor amiga ou não isso era totalmente babaca da parte dela contar um segredo constrangedor meu. Eu nem sabia o que responder, soltei a resposta mais rápida que pude pensar: " Ah... hehe é bem, eu gostava mesmo mais... Isso já faz muito tempo e hoje eu não sinto mais nada." Após isso eu vi seu grande sorriso totalmente desmoronar lentamente, e ficou um silêncio horrível entre nós, bem o Caio não conversou mais direito comigo depois.
eu nem sei o que pensar sobre ela hoje, e tenho medo de ela ter contado mais segredos constrangedores sobre mim. Bem foi isso, muito obrigado por ler até aqui! Até o próximo desabafo eu acho kkkk
submitted by Novel_Resident_ to desabafos [link] [comments]


2020.11.22 01:49 kionda_movey Simplesmente CheckMate

Essa história é meio longa e não é linear, mas vou me esforçar pra resumir o máximo pra não exagerar aqui. Eu sou homem, tenho quase 20 anos e sou de uma família de classe média muito (muito) tradicional e conservadora. No final do ano passado eu comecei a namorar e aconteceu uma gravidez inesperada (apesar dos precauções), hoje temos um bb de 3 meses.
O que ocorre é que agora eu sou "forçado" a ficar com ela o resto da minha vida, já que temos um filho e tals, e eu gosto dela (hoje estamos de boa) o problema é que eu não sei se ela é "a pessoa" e eu ainda queria conhecer muita gente e aprender com outros relacionamentos; eu já fiquei sério com outras meninas, mas minha atual também foi a primeira namorada que eu assumi.
Eu gosto muito da minha família, daria minha vida por eles, mas tenho que manter uma certa postura por ser o filho mais velho, não tenho a liberdade ou espaço pra conversar com ninguém da minha família sobre isso. Além disso meus pais sempre foram superprotetores e raramente me deixavam sair com amigos (pq eu ia me drogar ou ser sequestrado), o resultado é que tenho pouquíssimos amigos e quase nenhuma habilidade social. Os poucos amigos que eu tinha se afastaram por causa da pandemia, estou em cárcere privado e não tenho uma boa presença virtual. Em resumo, estou sozinho e tenho que guardar tudo pra mim.
Minha namorada gosta de animes e se veste tipo egirl, mas ela não chega a ser otako. Nesse ponto a gente não combina, eu gosto de ler e pesquisar sobre economia e política, ela gosta de jogos online e assistir anime. O resultado é que 99% dos amigos dela são homens que assistem animes e jogam, e como ela joga online, esses caras conversam mais com ela do que eu. Isso me deixa muito mal, eu até tentei jogar mas sou horrível fui xingado a cada 2 seg, então fiquei com raiva e nunca mais joguei.
Ela também sai pra festas, eu não gosto de beber pq já tive muito problema com bebida, e simplesmente não consigo conversar com os amigos dela (em parte por não entender as conversas de shitpost e também por não ter habilidades sociais). Por isso fico em casa sozinho enquanto ela sai com os amigos homens, de saia e cropped. Eu sempre fui muito honesto e odeio traição, tipo krl pode ficar com outras pessoas mas tenha o mínimo de respeito e termine cmg antes se for fazer isso mds. Mas mesmo assim provavelmente ela me trai, eu não tenho provas, ninguém vai me falar pq não tenho contatos e não vou dar a doida de aparecer lá do nada pra pegar ela no flagra. Eu fico muito triste pq ela tem depressão, borderline e ansiedade e por isso ela bebe muito, mas ela está amamentando e eu não posso fazer nada. Se eu falar pra alguém isso vai criar um problema pra ela por umas 3 semanas, depois ela vai voltar a beber, a única diferença é que minha família vai odiar ela e eu vou ficar preso a uma pessoa que todo mundo da minha casa não gosta, então "denunciar" o consumo de álcool dela está fora de questão.
Eu tinha muitos plano pra esse momento da minha vida, queria visitar um tio que mora na Alemanha, ele iria pagar minha passagem e eu ficaria uns 6 meses na casa dele estudando. Tinha vontade de conhecer muitos lugares e me dedicar aos estudos, mas esses sonhos estão acabados pq agora tenho que "ser homem" e trabalhar pra comprar as coisas do meu filho, não consigo me dedicar aos estudos e não consigo fazer outros cursos para desenvolver outras habilidades (sempre quis tocar violão e sou péssimo em excel) pq quando não estou trabalhando nem estudando pra faculdade, tenho que cuidar de um bebê.
Não tenho nenhum amigo pra conversar, não posso sair de casa, me relaciono pouco com minha namorada por gostarmos de coisas diferentes e esse sentimento de ela estar me traindo está me matando por dentro, a desconfiança cresce como um câncer e me dá vontade de abandonar tudo e sumir pra sempre. Não posso falar sobre isso com minha família e pra mim tudo o que eu sempre quis fazer nunca vai passar de um sonho. É como se eu tivesse desperdiçado a "melhor parte da minha vida".
Hoje toda vez que eu encontro minha namorada eu tenho um embrulho no estômago por pensar que ela dormiu com outros caras e mesmo assim eu estou preso a ela. Não vejo nenhuma possibilidade de realizar meus sonhos e metas de vida e nem posso me dedicar aos estudos. Isso não me deixa desesperado nem com vontade de gritar de raiva, é como se eu já tivesse desistido, sem vontade de resistir a mais nada, como simplesmente flutuar em um mar gelado com esse gosto amargo na boca, sem condições de lutar. A pior parte do meu dia é quando eu acordo e me lembro que tudo isso não foi um sonho ruim, e não tem nenhum dia que eu não peça a Deus pra me levar, seja em um acidente ou doença. Eu não estou cansado de uma vida difícil, mas angustiado por ver um futuro longo e infeliz independente da direção em que eu olhe.
Fico feliz em poder tirar isso do meu peito e desculpe se houve algum erro de digitação, obrigado por deixar eu compartilhar essa história com você.
submitted by kionda_movey to desabafos [link] [comments]


2020.11.20 22:57 aquele_esquisito aaaaaaaaaaaaaaaaaaa eu quero transar (a pandemia que empacou a minha missão)

Início do ano eu tinha 22 anos e era BV+virgem por conta da minha introspecção (não sou tímido mas amo mais do que tudo ficar sozinho, inclusive sou muito bom em falar com as pessoas e me comunicar) e morar com meus pais numa casinha pequena, coloquei como missão perder os dois até o fim do ano sem recorrer a prostituição, com um certo esforço consegui encontros com duas meninas (bem daoras por sinal). A segunda eu sai a semana de carnaval inteira para lugares onde não tinha bloco/gente e só ficamos nos pegando no último dia inteiro porque ela finalmente teve a iniciativa (eu só disse que literalmente não sabia como fazer), daí consegui perder todos tipos de BV pq ela era frenética, acho que só não transei (apesar da esfregação imparável em público) porque ela tava numa casa alugada com a família dela e já era o último dia dela na minha cidade.
Como eu disse, não sinto necessidade de gente, então para mim foi tipo um desafio mesmo, assim como eu considero me comunicar profissionalmente com outras pessoas, fora o prazer carnal e físico da coisa achei bastante desconfortável. Porém mantive o plano de tentar transar porque parece que depois dos 20 minha libido que já era razoável triplicou, e faz uns bons anos que eu me masturbo bem esparsamente quanto a frequência mas com longas sessões (faço até 3 horas quando tenho privacidade), então foi essa soma triplicada da libido com um aumento gigantesco de stamina sexual que me fez querer virar uma máquina do sexo, tipo naquele filme Shame (apesar da conclusão triste), inclusive nunca tive tantos sonhos sexuais e acabo acordando gozando direto, já perdi um tanto de cueca.
Mas daí veio a COVID e literalmente empacou a minha ideia de foda, acho bizarramente engraçado como foi nesse ano que aconteceu isso, como se fosse a minha culpa, foi mal galera. Agora tenho 23, continuo virjão e subindo pelas paredes esperando essa merda de vacina. Até deletei o Tinder por conta das minas querendo me fazer quebrar a quarentena, não vou dar mais chance pro destino, imagina se eu pego essa merda e meus parentes morrem todos só porque eu queria molhar o pipi? Totalmente como uma fábula irônica do destino.
submitted by aquele_esquisito to desabafos [link] [comments]


2020.11.20 19:20 FaithlessnessNo8520 Sou um colegial e minha vida tem sindo um inferno.

Vamos começar pelo -inicio- dos meus traumas. As únicas amizades que eu tinha, eram de duas meninas. Eu nunca fiz amizade com nenhum menino na minha escola. Final de 2018 eu fiz amizade com um garoto e estava super empolgado com isso, sempre conversávamos e jogávamos juntos. Até ele começar a falar sobre pegar outras garotas, a falar que iria parar de falar comigo, a me obrigar a jogar de madrugada se não ficaria triste. Todas as noites eu chorava pensando que ia perder ele, e rezava para isso nunca acontecer. Mas, no final de tudo, parei de falar com ele e nem penso em voltar mais.
Final de 2019 eu fiz amizade com um garoto estadunidense. Sempre jogávamos juntos e eu comecei a ter sentimentos por ele. Ao conhecer minha amiga para jogarmos nós três juntos, ele começou a me desprezar. Falar menos comigo a cada dia que passava, a dizer que ele não estava se afastando. Passava dias trancado no quarto escuro e tentando dormir, esperando acordar com uma mensagem dele. Chorava sempre que pensava que ia perder a amizade dele. Culpei a minha amiga e cortei a relação com os dois. Ao voltar a falar com ela, ela me contou que ele mentiu sobre tudo sobre a vida dele, desde o nome até aonde morava.
Isso junto com; eu fiz várias amizades mas nós paravamos de nos falar, eles só paravam de falar comigo como antes. Isso me fazia questionar se o problema era eles ou eu, já que não falavam nada.
Todas essas coisas me marcaram até hoje. Com medo de falar com outro menino e de jogar com ele e minha amiga, com medo de que ele irá me deixar de lado, com medo de nunca mais nos falarmos.
Crio paranóias em minha cabeça, e não sei se consigo aguentar tudo isso. Enfim, este é um desabafo, não espero que ninguém responda já que tentei falar aqui antes. To ficando cansado de ter esse "peso" em mim sobre gostar de outra pessoa e pensar que vai me abandonar. Nao sei o que fazer.
submitted by FaithlessnessNo8520 to desabafo [link] [comments]


2020.11.19 04:21 Pulseiraa Eu odeio adolescente

É... Boa noite, espero que todos estejam bem. Sim eu odeio a minha faixa etária, você deve estar pensando "Só mais um texto ridículo de adolescente..." Só lê oq eu tô escrevendo, please. Sim, minha faixa etária é uma merda, e eu não estou falando sobre as mudanças hormonais ou corporais, mas sim da idiotice/burrice destes seres. Então adolescente é a coisa mais escrota que existe, e eu quero entender o que acontece na cabeça da maioria, sigam meu raciocínio, alguns de nós são facinados por grupos, bandas, séries e etc... Eu entendo o fato de você gostar muito de algo, de verdade, mas a ilusão de uma vida perfeita no Canadá ou na Coreia com o seu cabeludinho/coreaninho (entre outras categorias) são simplesmente sonhos RIDÍCULOS, eu não quero estragar a graça de sonhar em algo impossível, mas o escarcéu que é feito hoje por causa disso é estúpido. Sabe gostar de BTS ou Now United é bom, mas transformar isso em prioridade é estupidez, esses dias me deparei com uma menina dizendo as seguintes palavras: A escola se coloca como prioridade, nós temos outras coisas a fazer, eu por exemplo cuido de um fã clube de now united. Isso quebrou o meu coração, como alguém que tem a mesma condição que eu em todos os sentidos consegue ser assim? Ela não enxerga as reais preocupações que ela deveria ter, como o curso da faculdade que ela quer fazer?
A ideia egoísta também me irrita, muita gente da minha idade só quer falar sobre si, e isso me incomoda, cara os adolescentes de forma geral são só mais um número, estou sofrendo para fazer trabalho em grupo simplesmente pelo fato de que todos os participantes são acomodados e egoístas demais para se preocuparem com a nota do outro.
Obs: Eu ia escrever mais, porém eu não quero q fique grande, perdão os erros gramaticais, tô com sono :((. Eu não quero me achar o adulto, só tô falando o que me irrita.
submitted by Pulseiraa to desabafos [link] [comments]


2020.11.19 03:21 No_Monk_7246 Ajuda por favor( se a ajuda vir de alguém que já trabalhou com telemarketing é melhor).

Eu tenho uma história um pouco longa para falar sobre o meu antigo trabalho.
Em 2018 eu comecei a trabalhar em uma empresa de cobranças, o meu ambiente de trabalho era em uma mesa ''baia'' onde tinha um computador e fones de ouvido. Minha função era ligar para clientes cobrando dívidas deles e tentando uma negociação do valor. Eu chegava no escritório as 8 horas da manhã, cobrava esses clientes dos quais eu havia feito acordo da dívida e o resto do dia eu ficava em um ''discador'' ele discava as chamadas de forma automática e eu só tinha que falar com o cliente sobre a dívida e tentar negociar. Eu saia do trabalho as 18 horas da noite com uma hora e meia de almoço e trabalhava no sábado até meio dia, trabalhava mais que o aceito por lei na profissão. Eu ficava o dia todo no fone de ouvido e quando tocava o telefone eu atendia, ganhava comissão em cima dos meus acordos e nessa empresa tinham mais ou menos 15 meninas que trabalhavam fazendo a mesma coisa que eu. Entretando, o meu registro na carteira estava como ''auxiliar administrativo'' o que de fato não estava condizendo com a função que eu exercia no trabalho, neste mesmo trabalho era comum que eu mandasse email e whatsapp para os clientes, porém eu ficava o tempo todo no fone de ouvido realizando ligações o fone de ouvido era primordial whatsapp e email eram coisas que usavamos se não tivessemos contato com o cliente no telefone.
Pois bem, eu sai dessa empresa em 2020 e logo que eu sai eu fui atrás de um advogado para sanar minhas dúvidas a respeito da minha profissão, pesquisamos a fundo e confirmei com ele que eu era operadora de telemarketing ativa (que realiza ligações). O processo está em andamento e eu precisei de 3 testemunhas para confirmar o que eu estava falando, além de fotos do ambiente e videos, provas da comissão etc. Essas testemunhas eram minhas colegas de trabalho as quais eu mantive contato durante o tempo que trabalhei nesta empresa e como elas trabalharam lá nada mais justo que elas testemunhassem justamente por saberem o que eu fazia lá dentro e o que eu trabalhava se eu chamasse qualquer outra pessoa para testemunhar o que eu fazia la dentro, qual seria a lógica? Porque essas pessoas não estavam no ambiente para saber o que eu fazia. Enfim, essa empresa para deslegitimar o depoimento das minhas testemunhas alegaram que eu tinha amizade com elas inclusive anexando fotos de nós juntas da época em que eu trabalhava no local. Saiu a sentença e claro a juiza aceitou o que eles falaram porque era uma foto, eu entendo perfeitamente, agora tenho que recorrer e explicar que eram da época do trabalho.
Enfim, estou muito cansada , sabe? Porque além de tudo isso tiveram a cara de pau de alegar que eu estava mentindo que eu não usava fones de ouvido, sendo que tem fotos disso.
Alguém poderia me ajudar? Se vc já trabalhou da mesma forma que eu e tinha um registro diferente ou que correspondesse ao seu trabalho.
submitted by No_Monk_7246 to desabafos [link] [comments]


2020.11.17 12:25 saraostrowskiph NÃO AGUENTO MAIS MINHA FAMÍLIA

Estou trabalhando em 2 empregos para juntar dinheiro e seguir meus sonhos. Ontem minha mãe se comprometeu a ficar com a neta dela (minha sobrinha), quando chegou de tarde perto das 18h ela levou a menina onde eu trabalho e deixou la, sem nem perguntar se eu podia ficar, se eu queria.. na vdd ela nem falou que iria deixar a menina la, simplesmente só deixou. (Ela tem 5 anos). Daí eu liguei pro meu pai e depois de uns 15 min conseguir falar com ele pra ele ir buscar a minha sobrinha, pois eu estava sem cadeirinha no carro. Ele ficou puto cmg pq ele ja estava em casa e começou a berrar falando q era pra eu levar ela e “parar de frescura”. No fim, 18h eu fechava a loja, precisava ir pra casa comer e depois eu iria trabalhar a noite com fotografia e fiquei presa na frente do meu trabalho ate 6:30 esperando q mae dela ir buscar ela pra eu poder ir pra casa. Além de eu ter me atrasado toda pra trabalhar, ainda meus pais me xingaram e gritaram um monte comigo por causa “dessa frescura de cadeirinha”.
Ai gente oque vcs acham? Pq assim eu não ando com criança sem a cadeirinha n so por causa dos 7 pontos na carteira e da multa de 300,00 mas tb pq imaginem se eu bato ou se alguém bate no meu carro e essa menina se machuca? Eu nunca iria me perdoar, e também eu acho injusto você colocar em risco a vida de uma CRIANÇA que não entende a seriedade disso. Os adultos tinham que proteger as crianças, nao colocar a vida delas em risco por PREGUIÇA de pegar uma simples cadeirinha...e dai alem de tudo eles ainda ficam colocando na cabeça da minha sobrinha que eu n levei pq sou ruim chata e sem graça nessas exatas palavras..
Enfim esse foi o desabafo de hoje
EDIT : gente muito obrigada pelos comentários, vocês ajudaram muito! Por mais que eu não consiga responder tudo, li com muito amor e carinho🥺❤️
-Só queria esclarecer, a mae da minha sobrinha foi buscar sim, no fim a culpa tb nao foi dela, foi a minha mae que fez a confusão toda e depois meu pais so piorou kkk - Graças a deus nao sou dependente financeira deles a 2 anos ja e nao moro com os meus pais desde q fiz 18 kk mas mesmo assim eles ainda fazem umas coisas sem sentido assim
submitted by saraostrowskiph to desabafos [link] [comments]


2020.11.17 00:24 melribeiro135 Será que sou eu a cuzona da situação? Devo tomar alguma atitude?

Conheci essa menina no ensino médio e ela começou a se aproximar de mim. Vários amigos próximos me alertaram que ela era "estranha" mas eu dei uma chance e ficamos bem amigas. Depois de alguns anos de amizade ela começou a demonstrar vários comportamentos tóxicos (era possessiva, ficava puta quando eu saía sem ela, fazia diversas chantagens emocionais quando eu não respondia mensagens por algum motivo e diversas outras coisas). Acontece que depois de já estar muito saturada, fui atrás desses amigos que haviam me alertado antes e descobri coisas horríveis que ela tinha feito com essas pessoas, a maioria incluindo mentiras e roubos de forma compulsiva. Fiquei muito incomodada e tentei me afastar, mas toda vez que eu tentava ela vinha com chantagens emocionais e eu sempre voltava e falar com ela. Um dia ela brigou com uma amiga minha e veio pedir meu "apoio" na briga, mas ao invés de me contar toda a verdade, me contou uma versão extremamente distorcida do que tinha acontecido. O fato é que ela não sabia que eu estava em call com a tal amiga, e que estava lendo todas as mensagens que estavam sendo trocadas. Me senti muito traída e decidi que era a hora de cortar essa relação. Sem saber como e sabendo que ela não me deixaria me afastar sem motivos, escrevi um texto explicando todas as coisas que sabia que ela havia feito com os meus amigos, as coisas que ela tinha feito comigo e expliquei que não poderia continuar naquela relação. A primeira resposta dela foi extrema indiferença e eu fiquei muito aliviada. Decidi bloquea-la no whatsapp e quando isso aconteceu fui afogada por infinitas ligações, mensagens e audios (no insta) aos prantos. Ela dizia que eu não podia jogar nossa relação fora, que eu estava jogando "ela fora", que eu estava abandonando nossa amizade e que ela nunca esperaria aquilo de alguém "que conhece ela tão bem". Acontece que sinto que não conheço mais essa pessoa e achei que devia manter essa postura. Bloqueei outras redes mas deixei o Messenger desbloqueado pois achei que talvez em algum momento poderíamos ter uma conversa melhor. Desde então ela começou a assediar meus amigos com indiretas, xingamentos, ligações e outros modos e isso me deixou extremamente afetada. Depois de tentar ignorar por meses ela me mandou um texto de 3 páginas nas quais em metade ela me acusava de ser injusta e escrota e na outra metade me pedia desculpa de um modo extremamente estranho. Mais uma vez decidi ignorar. Depois de mais um mês ela me mandou mensagem no Messenger me perguntando "vai ficar por isso mesmo?" E ali decidi respondê-la . Pedi para que a parasse de assediar meus amigos e espalhar mentiras sobre mim para terceiros, que ela estava me afetando e que eu estava perto de tomar alguma atitude. Ela disse que só queria que eu respondesse e que iria parar. Menos de um mês se passou e ela voltou a assediar minha melhor amiga. Consegui convence-la de bloquear a menina, mas não me senti satisfeita e desde então estou pensando se devo tomar alguma atitude, mas no entanto tenho muito medo do que ela pode fazer com si mesma para me deixar culpada. Devo deixar isso para lá ou devo tomar uma atitude?
submitted by melribeiro135 to desabafos [link] [comments]


2020.11.15 03:03 bunnyxz1 Pior merd* que já fiz!!

Em um dia qualquer nesta quarentena eu fui na casa da minha amiga e calma... Vamos voltar para alguns dias atrás.... Estávamos em chamada de vídeo e ela fez milk shake sas porra!! Aí eu falei o seguinte: "eu te dou 1 monster se vocês fizer milk shake pra mim quando eu ir na sua casa" beleza, ela concordou então foi assim!! Voltando pra onde estávamos... Ela estava fazendo milk shake pra mim e eu posto um vídeo dela fazendo nos status até que minha outra amiga carls (não é o nome dela mas ok) manda áudio put* da vida falando que quando vai na casa de hélice (também não é o nome dela) ela não faz milk shake para ela!! Então como ela morava umas 2 ruas dali falou que iria vir!! Eu e hélice saimos para dar um susto nela quando ela virasse a esquina mas ela acabou por não se assustar mas sim pular na gente porque fazia muito tempo qua não nós viamos!!
Nós entramos e colocamos "ela traiu" na JBL e outras músicas (principalmente funk!! Eu não sou muito fã mas fiquei de boas) coisa vai coisa vem hélice pegou três cervejas e falou "cada uma pega uma" rindo e em um tom brincalhão mas como carls não bate bem da cabeça falou "vamos beber?" E eu falei "NÃO, tá doida demência? Nois somos de menor!! E se ficarmos bêbadas e eu pegar um carro qualquer passando por cima das pessoas?? Eu vou ser presa!!" Mas depois de muito tempo eu concordei e tomamos!! O pai de hélice e a mãe de hélice não estava em casa, nem a irmã mais velha. Só estava ela e o primo mas o primo nem saia do quarto e ele é de boas então tava susa! Nós tomamos e jogamos o resto na pia da cozinha, carls saiu da casa pra jogar a latinha de cerveja em outro lixo porque se o pai de hélice visse ele iria chamar nós para beber mais, certeza!!
Passou um tempo carls falou "querem perder o BV" e eu concordei então foi uma suruba e eu nem sabia beijar!! Então fiquei muito nervosa mas deu tudo certo e a minha opinião foi... "QUE NOJO, É MUITO NOJENTO BEIJAR" (respeito quem goste de beijar) beleza. Passou mais um tempo e os pais de hélice chegaram então carls falou "hélice pede pro seu pai para irmos tomar um sorvete, eu pago!!" E eu falei "minha vó falou para eu não sair da casa!! E ela trabalha na rua de trás em um prédio!!" Mas depois delas pedirem demais eu aceitei!! Pedimos e fomos quando estávamos indo eu falei "o sorvete fica pro outro lado" e carls só respondeu "a gente não vai tomar sorvete" eu e hélice tentamos voltar mas carls não deixou.
Fomos e passeamos pela praia e nesse passeio descobri muita coisa!! Andamos pela praia, molhamos os pés e tals... Mas aí apareceu o ficante de carls, ele é 5 anos mais velho que ela!! E ela falava que tinha mais idade (bom, ela é a menina mais "adulta" da escola com essa idade então ele não iria suspeitar) nisso ela abraçou ele e tals... Ai estávamos quase na rua da casa da hélice, hélice andava atrás e eu e carls na frente até que carls solta: "nunca teve curiosidade de fumar?" E eu falo "já só que não faço isso porque é errado". Então, lembra do ficante dela que acabei de falar?? Ele vende maconha pros outros vender, outros tipos de droga também então ela falou que iria ligar pra ele e aproveitaria pra comprar a maconha pra amiga dela, o ficante dela tem bike e podia ir lá pra nois mas ele falou: "espera atrás do shopping taltaltal" e aí a gente ia mas a hélice não então ela ficou com as nossas coisas em um banquinho na praia enquanto jogava among us no celular de carls.
Chegando lá estávamos esperando aí carls foi lá buscar, eu nem queria ter ido mas eu não podia deixar a menina ir sozinha!! Eu fiquei esperando 5 mins, 10 mins, 15mins e nada de carls então fui indo e falei "foda-se" indo eu escuto uns barulhos de gente correndo e quando eu olho era carls! Nós seguimos para onde hélice estava e no caminho ela falou "eles colocaram um saquinho de maconha no cantinho porém sumiu a maconha!! Alguém roubou então eu entreguei o dinheiro e vou pegar outro dia." Eu falei "bah, né" chegamos onde hélice estava mas ficamos um pouquinho sentadas já que o shopping era um pouco longe nos cansamos. Até que chega uma amiga de carls e fala "tão falando que vocês fugiram de casa!! E chamando vocês de gostosa e tals, eu quase meti a boca em um cara ali porque falou de vocês e vocês são muito bonitas, eu tô de bicicleta e posso correr se algum cara vier mas vocês estão andando então ti cuida guria!!" E ela perguntou quantos anos eu e hélice tinhamos e nós falamos enquanto carls fingia ser mais velha que a gente mas ela era 1 ano mais nova que eu igual hélice!! A amiga de carls pergunta onde iríamos virar(qual rua) e carls fala em uma ali só que eu sou "é a rua que minha vó trabalha e o prédio dela é esse aqui da frente idiota!!" (Minha vó trabalha fazendo faxina) e então a amiga de carls nos ofereceu pra levar até a outra rua porque tinha uns cara ali cercando e passamos!! No caminho um cara não parava de olhar pra nois (já estávamos fora da praia) e carls grita: "que foi?? Perdeu o cu na minha cara foi?" E o cara para de olhar pra nois.
No caminho começou as paranóias!! Do tipo... "E se tiverem gravado nois e postarem no face da cidade?? Pra vocês tá susa porque as mães deixaram mas minha vó não me deixou sair!!" As meninas cagaram e chegando em casa carls foi cagar pra depois ir para a casa dela!!
Atualizando aqui: carls está sem celular e de castigo porque fugiu de casa de Madrugada com as amigas e a mãe dela pegou ela voltando!! Eu comentei isso somente com a minha mãe e minhas tias (únicas pessoas que nunca me deduraram!!) Agora hélice irá vir na minha casa essa final de semana pra dormir (informação desnecessária masok) agora fica a questão, foi muita merda??? Se você não leu tudo vou fazer um resumo: Fui na casa da amiga, a outra foi também, bebemos cerveja, escutamos funk pesado, perdemos o BV e BVL, fugi de casa mas minha amigas tinham permissão, quase fumei maconha e no fim de tudo saímos fudidas da praia!! Me respondam, foi muita merda mesmo??
submitted by bunnyxz1 to desabafos [link] [comments]


2020.11.14 03:40 dandanyami Um grande desabafo que ninguém vai ler atualização 13/11

Vocês se lembram disso? eu vim dar uma breve atualização porque você não precisa da lei de Murphy pra ela se provar real.
No antigo post relatei meus problemas financeiros e risco que corro de perder minha casa, com a faculdade e os bullyngs que sofro tanto por parte dos alunos da minha turma quando pelo meu orientador de curso que agora sempre que tento tirar duvida em aula ele me humilha na frente de toda a turma.
E agora passei por uma avalanche de coisa que eu não sei o que fazer, vou tentar seguir uma linha cronológica aqui.
Depois do post, descobri que por algum motivo um amigo meu surtou em relação a mim, me bloqueou em tudo e falou para varias pessoas o quanto ele tinha dedo podre pra amigos, alem de indiretas me chamando de falsa eu realmente não ei o que fiz, ele me conhece a mais de 10 anos, fiz muita propaganda do trabalho dele como artista, e nos ultimos meses só fico em casa estudando que nem maluca.
Acho que foi um baque confuso, mas eu não tive tempo pra assimilar nada pois comecei a vomitar demais, aparecer enormes hematomas bem escuros pelas minhas pernas sem eu bater, e depois de suas semanas sem ingerir nada porque vomitava tudo, fui em um hospital (contra a vontade da minha mãe que dizia que era só drama meu), e bem, fui encaminhada pra um centro de consulta como caso de urgência, os médicos de la me fizeram fazer um monte de exames, tanto que demorou um mês pra tudo ficar pronto. E, lembram do ataque cardíaco do meu pai? em 2017 eu fiz tratamento para depressão e síndrome do panico, o médico me passou doses altíssimas de um remédio que é PROIBIDO para pessoas com histórico de doença cardíacas, e eu estava com sequelas. Resumindo minha vesícula desde então começou loucamente a produzir pedras, e obrigava meu corpo armazenar gordura para ela poder produzir pedras, por isso eu não conseguia perder peso.
E quando fui conversar com minha melhor amiga, que nem da cidade é, ela tava estranha e quando perguntei sobre isso ela surtou também, temos amizade a 9 anos e ao mesmo tempo em que ela começa namorar uma menina, que eu sinceramente acho que só ta com ela por interesse, ela simplesmente surtou comigo, e eu com uma vesícula sem funcionar não tava muito bem pra discutir, mas ela nunca mais falou comigo e fica postando indiretas deixando bem clara que a namorada dela me "substituiu".
Agora com uma casa pra perder, um coordenador de curso me humilhando na frente da turma sempre, uma vesícula pra tirar por cirurgia e risco das pedras descerem para o pâncreas e dar pancreatite, ou ficarem se arrastando na parede da vesícula provocando necrose ou hemorragia interna, vocês acham que não pode piorar?
Garanto que pode, hoje eu tive uma briga feia com a minha mãe sobre isso, eu não posso ficar andando e fazendo um monte de coisa pra não atingir o pâncreas ou começar a necrosar, e minha mãe todo dia grita comigo ou briga comigo porque tenho que ajudar a arrumar a casa, no meio do ano ela tava trabalhando no tcc e eu fazia absolutamente tudo na casa sozinha porque queria ajudar ela, enquanto me virava com as aulas e trabalhos, mas as ordens de eu ficar quieta na cama foram bem claras.
Minha mãe sempre teve essa mania de desacreditar nas minhas doenças e já quase me matou de pneumonia por causa disso, porque ela tava convencida que era invenção minha, sendo que eu tava com febre muito alta. Isso fica pra outra história mas deixo claro que ela não é antivacina, ela por algum motivo não acredita quando falo que to doente, nunca menti doença, mas ainda assim sempre que tenho algo sério e como se eu tivesse só vagabundeando.
A briga foi feia porque pedi um pouco de paz pra descansar, ela levou pro lado pessoal, eu acabei me exaltando por ela falar que eu só causava estresse nela também disse que já que só trago estresse eu não queria ninguém me acompanhando na cirurgia, resultou num block em tudo e ela fingindo que não existo na minha própria casa.

resumo, prestes a perder a casa, perseguida pela turma e orientador, sem amigos nem distantes pra desabafar e com minha mãe com raiva de mim, é isso ai, sempre piora.
Devo estar sendo punida por algo de uma vida passada, vai ver fui o Hitler
submitted by dandanyami to brasil [link] [comments]


2020.11.12 23:15 Trutinhaa To surtando

Ola gente, Então, vou falar de uma menina pra vcs aqui. (Eu ja falei dela em um outro desabafo meu aqui)
Era ano passado e eu me apaixonei por uma menina muito linda da minha escola, ela entrou no meio do ano e eu so fui começar a conversar com ela no final do ano, mais especificamente em outubro, e nesse tempo ela tentou me ajudar com a descoberta da minha sexualidade e eu queria ficar com alguma menina para ter certeza, e ela se ofereceu para ajudar com isso ficando comigo, so que eu tava com a autoestima muito ruim naquela época e eu acabei nao ficando com ela por medo de fazer besteira. O ano de 2019 acabou e ela começou a namorar nas férias e o ano de 2020 começou. Agr estamos a alguns dias atrás, e ela postou um meme nos stores eu nao me lembro muito bem oq era, mas eu lembro q foi algo q me fez perguntar se ela tinha terminado com o namorado dela. E vamos para hj, eu estava completamente tranquila vivendo minha vida ate que fui ver o alguns stores do Instagram e ai apareceu os stores dela e nele ela tava escutando uma música q eu tinha mostrado para ela, oq me fez surtar completamente pq eu ja tinha aceitado minha derrota de que eu nao iria ficar com ela, e se aquilo foi uma indireta para mim pq foi postados no so para amigos, sera q ela lembra q eu mostrei essa música para ela, sera q ela lembra de mim. Eu penso tudo isso ao mesmo tempo q eu penso q so é coisa da minha cabeça e eu to me iludindo
Espero q vcs tenham entendido, muito obrigada por me escutar, tenham um bom dia.
submitted by Trutinhaa to desabafos [link] [comments]


2020.11.12 06:34 C4l0psita Eu quero mandar duas pessoas a merda no meu grupo

eu tava com muita preguiça de escrever aqui mas agora que eu quase estourei em call com um amigo eu resolvi escrever.
Basicamente eu tenho um grupo de amigos no discord, eu conheço eles faz 4 anos e a gente é muito unido, lá todo mundo gosta de todo mundo e era um refugiu pra quem não gostava da vida real, então quando alguém do nosso grupo sofria bullying, ele podia ir la pra esquecer dos problemas, a gente sempre foi de boa até o começo do ano, uma garota pediu meu discord, ela jogava rpg e eu também e a gente começou a conversar, por acaso ela foi pro mesmo colégio que eu, a gente foi pro ensino médio junto, foi a primeira vez que eu estudei de manhã e ela também, a gente saía todo dia no recreio e ficava junto jogando truco com o meu grupo de amigos já que ela mais uma guria que gostava de anime e video-game (Nota: ela era de uma turma diferente da minha. Nota2: os meus amigos do colégio não são os mesmos do discord), tava indo tudo bem, eu era o mestre de uma campanha de rpg, ela já sabia disso, a gente passava muito tempo em call no discord desde que a quarentena começou, uma hora o meu grupo do discord iria descobrir que eu tava falando com outra pessoa já que eu passava muito tempo fora da call no grupo lá, basicamente eu cometi o que eu considero o maior erro da minha vida, eu adicionei ela na call pra ver uma campanha de rpg, só que meus amigos conseguiram o contato dela (meus amigos são de boa e eles moram em outros lugares do brasil, a menina é a unica que mora na mesma cidade que eu), eu adicionei ela no grupo do rpg meu e depois no grupo principal nosso que só cabe 10 pessoas, ela se enturmou lá mas ai que tá, tava pintando um clima entre nós, era um quase semi-mini-web-namoro, ou seja, não era nada oficial a gente nunca se beijou mas a gente não se considerava amigo e fazia umas indiretas sobre gostar um do outro, mas a gente tem uma personalidade que faz querer não confessar primeiro, então era um jogo mental pra ver quem se declara (tipo Kaguya-sama), bom, um dos meus amigos depois de um tempo começou a falar com ela, eu havia conversado com ela sobre ela não falar sobre a nossa relação para os meus amigos já que eu descobri que ela contou sobre eu dar boa noite pra ela e tals, depois disso o meu certo "amigo" conversou comigo sobre minha atitude com ela (eu sou uma pessoa difícil mas é de brincadeira, eu realmente levo o sentimento dela a sério), eu respondi que eu tava ciente disso, só que ele começou a se meter demais na nossa relação, eu conversei com ela sobre isso e ela concordou em parar de falar sobre isso com ele, mas tinha uma coisa, a gente postava imagem adultas no grupo, fazia comentarios de humor negro por que ninguém se descriminava, mas ela tava lá e eu não queria que ela visse essas coisas adultas e tals, por mais que ela não ache um problema eu acho e conversei com ela sobre isso, "fica dificil eu cuidar pra não te mandar meme com algo pornográfico e depois saber que meus amigos te mandam muito meme porno no teu privado", ela concordou comigo e eu falei pro pessoal pra evitar fazer isso, depois dela sair do grupo pra entrar outra pessoa no lugar, eu queria que se mantesse assim mas só não dava, eles adicionavam ela e eu não podia fazer mais nada por que eles ja haviam virado amigos dela, muito tempo depois e algumas conversas com ela, ela não tava mais no grupo, mas as pessoas conversavam ainda com ela no privado, o que era um pouco de problema por que depois de muito tempo eu descobri que o meu "amigo" falou pra ela me largar umas 2 vezes (não para me dar um chifre mas só por ser metido) eu mandei ele ir a merda e disse "não fode", eu fiz uma regra com o pessoal pra me avisar toda vez que ela fosse entrar no grupo pra eu cuidar se pode ou não (eu pedi isso, e pela nossa amizade e respeito por mim eles entenderam e aceitaram), só que uma pessoa não fez isso, que foi esse "amigo" e ele falou "mas agora eu tenho que beijar teu pé e pedir por favor pra adicionar ela?" e eu respondi "não, mas me avisar pelo minimo de amizade que a gente tem e pela minha situação", ele retrucou e eu perguntei se ele realmente queria conversar, por que se ele aceitasse eu ia mandar a real das merdas que ele tava fazendo faz um bom tempo, basicamente ele aceitou e eu perguntei qual era o lugar dele nessa história já que ele não fazia parte não era para estar se metendo, mas ele só tentou desviar e nunca respondia como um verdadeiro covarde, eu tava em call com dois dos meus melhores amigos em um outro grupo e os dois estavam vendo, por mais que não pareça eu analisei e conversei com eles pra ver se eu tava fazendo alguma coisa errada, mas não, tudo que deu de merda foi por culpa desse meu "amigo", só que ninguém ficou realmente do meu lado, eles chegaram a responder quando eu falava algo como "fulano você não concorda com isso?" mas ninguém ligou pra isso, o meu amigo basicamente tinha um ideal fudido de querer ajudar quem ele quiser e fodase, eu tava full putasso mas eu não podia xingar ele do nada sem ter motivo, então eu mantive a calma por que ele tava me contando que a guria que chamava ele pedindo conselho e não ele, então eu, ele e ela entramos em uma call e conversamos sobre isso, essa guria é muito minha amiga, e eu e ela queremos realmente ficar juntos, ela tava do meu lado, ela sabe que eu sofri, mas ela também não fez nada, eu tava literalmente sozinho, todo mundo concordava mas ninguém me apoiava, eu ainda to nesse caos todo e não sei o que fazer, o único cenário que me faria feliz é todo mundo parando de falar com esse "amigo" e todo mundo menos eu parando e falar com a menina, só que é tudo impossível já que é eu que quero isso e ninguém se importa com isso, eu conversei com dos meus melhores amigos agora, e ele disse que taria aqui por mim mas ele não tem ideias boas, eu ja tentei conversar com ela e ela me entende só que só não tem como chegar em uma conclusão, a mais plausível é eu me acostumar com a dor de quando eu querer fugir da minha vida real eu correr pro meu refugio, só que ele ja tava arruinado ja que antes eu queria só encontrar meus amigos mas a mina tava lá (agora não ta mais) e atualmente tem o meu "amigo" lá o que não me da vontade nem um pouco de entrar em call. Eu e a menina temos aula online, e ficamos em call juntos com a webcam ligada (por que a escola obriga) e a gente fica ainda sorrindo um para o outro, é legal isso mas eu não posso ainda me esquecer do todo o caos na minha volta, as vezes eu fico puto com ela e as vezes eu to calmo, mas eu não posso nem mandar ela ir a merda já que ela vai querer me perguntar o porquê disso e só seria mais dor de cabeça, eu só to pronto pra explodir e xingar todo mundo. eu já pensei em trocar de grupo mas eu prometi pra ela que não ia abandonar ela sem motivo, mas eu ainda sim só queria recomeçar e torcer pra não fazer essa cagada mais uma vez :/
submitted by C4l0psita to desabafos [link] [comments]


2020.11.11 16:56 No_Monk_7246 Relacionamento

Eu sou nova aqui, queria desabafar e ouvir pessoas que passaram pelo mesmo problema :(
Eu estou em um relacionamento faz mais ou menos 4 anos, nós terminamos em setembro do ano passado e reatamos este ano, em fevereiro. Fui eu quem terminou a relação porque eu já estava doente de cúmes por ele e não via mais sentido me relacionar com alguém em quem eu não conseguia confiar. A desconfiança começou logo no inicio do namoro, ele sempre teve várias amigas e conversava com elas como se não namorasse e para piorar nós tivemos que manter a relação por mais ou menos 2 anos à distância então eu ficava muito insegura pensando que ele poderia não estar me levando tão a sério como eu estava levando a relação... Eu sempre senti que ele me amava mas eu sempre coloquei em minha cabeça que ele deveria amar somente eu e qualquer outra pessoa no ambito de amizade que ele amasse era traição, então foi seguindo desta forma nossa relação. Até que um dia uma menina da sala dele começou a seguir ele nas redes sociais e eu acabei vendo isso, e ela mandou mensagem puxando assunto sobre um trabalho da faculdade que eles fizeram em grupo eu li toda a mensagem não tinha nada demais da parte dele, mas ela estava com intenção de algo. Eu fiquei super chateada pedi para ele excluir a pessoa das redes sociais e ele não quis, eu terminei com ele e mesmo assim ele manteve firme a ideia de não excluir ela, isso me machucou muito porque me tirou a pouca confiança que eu tinha nele. Enfim, terminei e ele depois de uns dias viu que era sério e acabou fazendo a minha vontade, reatamos uns dias depois... Apesar de toda essa historia ter um fim e tal eu não conseguia mais sentir confiança em nada do que ele fazia, nada mesmo. Até que se passou um ano e eu resolvi terminar de forma definitiva ''do nada'' falei que não queria mais que não estava legal eu estava traumatizada, etc... Ele veio atrás de mim mas eu realmente decidi que abandonaria o barco, conheci outra pessoa e ele conheceu várias outras, inclusive ficou e tudo mais, fez novas amizades etc. Passaram 6 meses mais ou menos ele terminou a faculdade e nós voltamos a nos falar e resolvemos reatar, morarmos juntos... Eu estava feliz, apesar de infernizar ele algumas vezes com desconfianças porque ainda não recuperei ela 100% mas todas eram coisas pequenas e eu sei que eram, hoje vejo que deveria ter agido de outra maneira... Porém, recentemente entrei no instragram dele e li uma conversa de junho deste ano em que estamos juntos, com uma amiga que tratava de assunto de trabalho e neste assunto ela agradeceu ele por ter ajudado ela e falou ''te pago um sorvete depois da pandemia'' e ele respondeu ''combinado'' com um coração do lado, isso me quebrou as pernas porque em nenhum momento ele disse que estava namorando ou qualquer coisa parecida, conversamos sobre isso e ele falou que era só amizade e não entra na minha cabeça. Enfim, se alguém leu isso até o fim, parabéns rsrsrs, queria que alguém me desse uma luz eu não confio mais nele isso é fato, mas ainda amo muito, eu acho que depois dessa conversa que eu li me sinto como quando ele não queria remover aquela menina das redes sociais, eu estou prestes a terminar e conhecer alguém que não me submeta a esse tipo de situação..., o que vcs fariam?
submitted by No_Monk_7246 to desabafos [link] [comments]


2020.11.10 17:05 lksdshk Perdi o emprego e a culpa é toda minha

Tenho 26 anos sou engenheiro e estou cursando pós graduação.
Pois bem, acabei de ser demitido da empresa que trabalhei por 2 anos, logo após a graduação.
Comecei de baixo em um setor e cresci rapidamente, me destaquei várias vezes e deixei meu legado onde passei até que em Julho eu arrisquei uma promoção em outro departmento. Pulei 1 degrau da hierarquia e estava na mesma posição que meus colegas com 30+ anos e o triplo ou mais de experiência na empresa que eu. Arrisquei muito porque eu me via como analista e queria ser analista de um jeito ou de outro. Lembro que a menina do RH reforçou que ele procurava um perfil SÊNIOR. Eu sou júnior! Não tenho nem 4 anos de experiência profissional
Fui só pelo cargo e pelo dinheiro porque as tarefas não me interessavam. A medida que eu avancei no MBA mais eu queria desenvolver habilidades que lá não tinham.
Pois bem, primeiro a síndrome do impostor me deixou lá embaixo. Segundo que eu sentia falta da minha zona de conforto porque agora eu tinha que ter um protagonismo e respondia direto para um novo gerente na empresa em uma área que tinha a missão de reerguer um departamento desmoralizado e bagunçado. E como analista de planejamento eu tinha um papel chave em organizar a casa.
Nesse contexto percebi que mesmo um bom salário eu na me sentia satisfeito. Preferia ter um cargo mais baixo onde eu tinha ainda muito o que desenvolver do que me arriscar assim.
Paguei o preço da ambição.
Os feedbacks do gerente exigiam mais energia e empenho que eu não estava entregando porque na real não gostava do que eu fazia.
Um dia eu admiti a ele que queria férias e iria repensar na meus objetivos. Admiti que planejava deixar a empresa (sim eu pensava em deixar a empresa há alguns meses mas a promoção me segurou). Erro crasso. Porém eu deixei toda minha ansiedade negativa falar por mim. No dia seguinte voltei atrás nas minhas palavras e pedi a ele que revertesse o processo de desligamento e que dali em diante seria um novo começo e eu daria meu melhor.
Dito e feito eu realmente me esforcei e comecei a entregar. Achei até que ele tinha reconsiderado porque eu fui sendo envolvido por ele em algumas questões.
Porém duas semanas depois ele decidiu me desligar. Disse que percebeu que eu não tinha me ambientado muito bem e que devido ao momento ele precisaria de alguém com mais autonomia para tocar as coisas. Após 3 meses ele tinha uma visão mais crítica da situação que exigia mais.
Na semana anterior eu tinha ouvido ele dizer que precisava de um coordenador. A minha posição antes era ocupado por uma coordenadora.
Não fiquei com raiva do meu chefe. Entendo perfeitamente que ele precisa de alguém mais experiente e independente, alguém que já sabe como fazer o trabalho. Só acho que o RH errou em insistido em usar recursos da empresa quando na verdade não tinha ninguém qualificado o suficiente, sendo que eu fui a melhor opção.
Pois bem é isso. Recebi uma boa grana, estou na casa dos meus pais e graças a Deus tenho um teto e comida.
Hoje passo o dia pensando em como pude me deixar abater e fracassar. Fico pensando que não pensei direito em aceitar aquela vaga. Fico ansioso quanto a futuro porque logo logo faço 30 anos e estou longe de consolidar uma carreira ou algo que deixa confortável para iniciar uma carreira...
Minha expectativa é tentar conseguir um trabalho de iniciante em que eu possa começar de baixo e facilmente me destacar. Porém fico receoso que já estou cursando pós mas nada de ser um profissional consolidado....
É isso....
submitted by lksdshk to desabafos [link] [comments]


2020.11.10 04:44 arremessar_ausente De novo sobre o caso da tal da Mariana Ferrer

A confusao do estupro culposo ja foi esclarecida (ou pelo menos deveria ter sido) para todos.
Porém ainda teve aquele episódio da audiência que o intercept divulgou do advogado esculachando a menina. Assim como todo mundo, também fiquei revoltado com a falta de profissionalismo do advogado. Mas o video publicado pelo intercept tem varios cortes, isso é evidente, nao tentaram nem disfarçar isso.
Pois é, o Estadão lançou a alguns dias atras o vídeo na integra da audiência, só parei pra assistir agora. O video tem 3 horas de duração, mas a Mariana participa apenas dos primeiros 45 minutos, entao pra quem quiser assistir e tirar suas próprias conclusões nao se sintam tao intimidados.
Vou falar de cara aqui que o comportamento do advogado foi horrivel independente do video do intercept ter sido cortado ou não, o único ponto aqui é o quanto eles se esforçaram para empurrar uma narrativa e ignoraram todo o resto do vídeo.
O video começa e demora um pouco pra iniciar a audiencia porque a Mariana tinha uma pessoa presente na sala com ela e o juiz teve que explicar pra ela umas 10 vezes que ela nao poderia ter ninguem presente com ela na audiência a não ser que ela optasse por revogar a defensoria pública.
Já nesse começo a Mariana já demonstra alguns comportamentos agressivos para os integrantes da audiência. Não agressivo verbalmente mas da pra perceber o tom de deboche em algumas coisas que ela fala, ela claramente demonstra uma implicância com eles. Vale ressaltar que essa não foi a primeira audiência dela. Ela já participou de outras audiências com as mesmas pessoas, audiências essas que nós não sabemos o que aconteceu
A audiência começa e o advogado já começa questionando sobre as fotos. Ele mostra na tela uma foto do rosto dela com o dedo na boca, uma foto comum que você poderia ver no Instagram de qualquer pessoa. Já deixo claro que essa questão das fotos nem deveria ter existido pra começo de conversa, não sei de onde esse advogado tirou que essas fotos seriam um bom argumento, mas enfim.
O advogado questiona a Mariana perguntando se aquela foto editada. Ela da uma enrolada e do nada ela mesmo mostra uma foto dela no celular dela de biquíni. Estou falando isso porque pelo corte do intercept só aparece o advogado falando e mostra ela chorando, e da a impressão de que o advogando tava expondo fotos dela semi nuas contra sua vontade, envergonhando-a, quando na verdade ela mesma é a primeira a expôr uma foto sua mais sensual para a audiência.
A audiência segue e o advogado começa a fazer perguntas objetivas pra elas, que poderiam ser respondidas com um "sim ou não" e ela desvia de praticamente todas as perguntas, mesmo com o juiz pedindo inúmeras vezes pra ela ser objetiva.
O advogado entao continua questionando-a tomando como base o próprio depoimento da Mariana, e ela demonstra algumas incoerencias com o próprio depoimento dela. Em certo momento ela fala sobre pessoas que poderiam ter sido testemunhas mas em nenhum momento disse isso em seu depoimento.
E audiência segue assim que o final, com perguntar objetivas e respostas desviadas ou nenhuma resposta.
O video com corte do intercept coloca aquela parte mais pesada da audiencia que o advogado começa a humilhar ela, sendo que segundos depois o juiz interrompe e ameaça suspender a audiência caso o advogado continue com aquele comportamento. Mas como isso é cortado, da a impressão que ela foi humilhada e que ninguém se importou com ela, que o sistema opressor maltratou ela.
Em alguns momentos ela da audiência ela chora por coisas que ela mesmo fala, mas pelo corte deu a entender que foi por causa do que o advogado tinha falado.
Enfim, tem outras partes menos importantes que eu poderia comentar, mas o assunto é outro.
Mais uma vez, eu não estou defendendo as atitudes do advogado, foi um péssimo comportamento. Mas é inegável o quanto o intercept forçou a narrativa que lhe convém, não tá nem disfarçado. Aconselho vocês que assistam e tirem suas próprias conclusões. Quem ainda tá em dúvida se ela foi estuprada ou não vai poder esclarecer muita coisa.
submitted by arremessar_ausente to brasilivre [link] [comments]


2020.11.10 01:28 lekatseconda Relato de uma menina que deu ghost no cara

Então, eu dei ghost no cidadão. Nunca fiz isso antes, mas dessa vez não soube oq fazer. Leiam até o final pra entender (eu tô errada, tlgd, mas não sei de que outra maneira resolveria isso..).
O cara é da minha faculdade, meu veterano. Começamos a conversar pois ele puxou assunto comigo no Insta. Não sou de responder rápido (isso com todo mundo, não tenho muito saco pra WhatsAPP), e com ele era assim também, mas ele parecia não se importar (tanto).
As conversas iam e vinham, ele não era um cara particularmente bonito pelas fotos mas eu não me importei muito com isso pq ele é gente boa. Aceitei o convite de sair com ele. Saímos e, chegando no local, eu deixei meus óculos no carro dele porque estava ventando absurdamente demais e meu óculos tá meio folgado, então tava caindo direto e meu cabelo ficava embolando (detalhe importante: sou cega sem óculos, um absurdo, péssimo). No carro, estávamos ambos de máscara o tempo todo. Chegando no local, fomos dar uma volta andando e ficamos conversando por 1h, quando decidimos tomar açaí, cada um do lado oposto da mesa. Aí nós tiramos a máscara, mas eu não conseguia ver o rosto dele direito pq, de novo, sem óculos meus olhos não servem pra quase nada e ele tava do outro lado da mesa. Tudo certo, mais uma hora e fomos pro carro dele pra ir embora. Chegando lá, eu botei meus óculos e ele tirou a máscara de novo.
Ele é diferente das fotos. Tipo, bem diferente das fotos. Eu fiquei meio impactada ali pq assim, pra qualquer coisa rolar, você tem que sentir atração pela pessoa, mas eu não sentia nenhuma. Mesmo depois do encontro, a química não bateu... e ele era realmente diferente das fotos. Só sei que não tive cara de dizer isso pra ele, não sabia oq dizer na viagem de volta pra casa (ele sugeriu irmos pra uma praça pra ficar mais recluso, eu neguei), não soube oq dizer no whatsapp. Não conseguiria mentir dizendo que não gostei do date pq 1) eu tinha dito lá no açaí que tava gostando quando ele me perguntou e 2) simplesmente não é verdade. Também não quis dizer que não queria mais sair com ele sem dar justificativa pq sabia que ele ia perguntar, e eu odeio mentir, então iria acabar falando da atração e aparência. Por isso, optei por não falar mais nada. Era só primeiro encontro e nem conversávamos há tanto tempo, então...
Taí uma história de ghost do lado da moça. Vira e mexe vejo gente aqui reclamando de menina que dá ghost e eu me sinto culpada, mas, nesse caso, ainda prefiro dar ghost que explicar pro cidadão que ele é bem diferente das fotos, que não o achei atraente o suficiente para ter vontade de sair outras vezes e que só percebi isso no final pq deixei a dsg dos óculos no carro pq ele está folgado e tava ventando demais. Nunca mais vou pra encontro sem óculos/lente de contato, e nunca mais aceito carona se for a primeira vez que tô saindo com o cidadão.
submitted by lekatseconda to desabafos [link] [comments]